18 a 65 anos

Sendo este o intervalo etário mais longo, alonga-se também o espetro de intervenção. O desenvolvimento cognitivo global da pessoa será tendencialmente maior nesta faixa etária sendo esse um factor diferenciador para o modo como encaramos o processo terapêutico.

A Intervenção Psicomotora comporta aqui extrema importância na monitorização e modificação de processamento de informação da pessoa. Proporciona ainda o máximo de experiências corporais e verbais, com vários materiais e com a utilização de modelos de intervenção e técnicas específicas para cada caso.

Principal púbico alvo:

 Síndrome de Down e outras Cromossomopatias;

Esclerose Múltipla e outras Perturbações do Neurodesenvolvimento;

 Paralisia Cerebral, Afasia e Dispraxia;

Perturbação do Espectro de Autismo e Perturbações Globais do Desenvolvimento;

Perturbações do Humor e Perturbações de Ansiedade;

 

Quadros Iniciais de Demência;

Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção;

Problemas de Comunicação e Linguagem;

Atraso do Desenvolvimento Psicomotor e Atraso Global do Desenvolvimento;

Pós-AVC e TCE.

 

Objetivos da Intervenção Psicomotora em jovens e adultos:

  • Estimulação da identidade pessoal e construção de uma imagem ajustada de si mesmo, relativamente às suas capacidades e limitações;
  • Promoção da regulação, gestão e expressão de emoções;
  • Estimulação de aspetos afetivos como a autoestima, a autoconfiança e a motivação;
  • Harmonizar e maximizar o potencial motor (em casos de comprometimento devido a trauma ou doença), afetivo-relacional e cognitivo, ou seja, o desenvolvimento intra-individual e a capacidade de adaptabilidade social;
  • Estimulação Cognitiva e modificabilidade estrutural do processamento da informação do indivíduo;
  • Desenvolver habilidades corporais como o equilíbrio, coordenação, dissociação, orientação espacial e temporal;
  • Promover estratégias de intervenção que atuem no desenvolvimento psicomotor.

 

 

Técnicas terapêuticas adequadas a esta faixa etária:

  • Avaliação do Perfil Psicomotor;
  • Intervenção Psicomotora;
  • Integração Sensorial;
  • Psicomotricidade em Meio Aquático (*);
  • Programas de Relaxação Terapêutica;
  • Estimulação  Cognitiva.

(*) – mediante protocolo existente na zona de residência